Famosas capas de discos e o que não vemos nelas

Muita gente já se perguntou o que tem ao redor de algumas imagens que estampam as capas de alguns discos de artista pelo mundo afora ou então o que pode ser visto se estivéssemos vendo apenas o outro lado?

Foi pensando nisso que a agência britânica Aptitude criou a sua versão expandida para algumas dessas famosas capas.



Você pode conferir todas as capas criadas em sua versão estendida, clicando nesse link aqui.

Já o artista Harvezt coloca em seu Flickr a sua versão para "o lado obscuro das capas dos discos".





Todas as artes criadas por ele você pode conferir aqui.

Resgate do site Galo Maluco.

Amor aos livros

Li hoje, um artigo da Revista Crescer,  intitulado A biblioteca dos nossos filhos. E ele me despertou muitas lembranças e sentimentos, motivos pelos quais eu resolvi escrever.

Eu não tinha uma biblioteca em casa, existia - e ainda existe - uma enciclopédia que eu usava - e muito - para fazer meus trabalhos de escola, que a minha mãe só comprou porque era o irmão dela responsável pela venda. E mais alguns livros do meu irmão, mas pouquíssimos títulos eram de literatura.

Meus pais não me deram esse tipo de incentivo, nem meu irmão e nem ninguém da minha família! O incentivo a leitura veio das "leituras obrigatórias" nos tempos do colégio. Época em que eu li títulos nacionais como Iracema - José de Alencar.

Lembro exatamente da primeira vez em que tive contato com uma biblioteca! Estava no 5º ano e nunca havia entrado em uma. Ao ver aquelas estantes cheias de livros de ambos os lados, com tantas cores e opções eu fiquei sem ar! Foi amor a primeira vista! Eu queria ler tudo, queria tudo pra mim! E de fato, li muitos livros entre a 5ª e a 8ª série. Li muitos livros da Série Vaga-Lume e foi nessa época que eu li minha primeira saga que era a do fofo cachorrinho Samba!

Coleção Cachorrinho Samba
Foto: Arquivo pessoal
Mudaram as capas, mas o que importa é o conteúdo e esse é o mesmo! E essa edição é realmente fofa! A Lelê leu um e está no segundo que é "O Cachorrinho Samba na Floresta". Eu confesso, que não lembro muita coisa do que li nessa época, mas sei que li.

Esse amor veio sozinho, partiu de mim e dos incentivos meio que obrigatórios que recebia no colégio. Com a Lelê a coisa é um pouco diferente, já que ela sempre me viu com um livro embaixo do braço. Mas diferente do que se possa imaginar, eu não forço que minha filha leia!

Eu a incentivo a pegar um livro pra ler enquanto eu estou lendo. Eu li muitos pra ela enquanto ela não sabia ler. E eu compro pra ela alguns novos sempre que possível, mas se eu não compro ela ganha (obrigadas as amigas lindas que deram livros e tiveram a ideia de um amigo secreto de livros ). Mas pra ela essa é uma relação natural, algo que sempre teve acesso e sempre terá.

Tarde de leitura no jardim
Foto: Arquivo pessoal
Porque se eu tenho uma (duas na verdade) estante cheia de livros...

Minha estante
Foto: Arquivo pessoal
Ela também tem a sua... E sabe que tem acesso a uma parcela dos meus!

Foto: Arquivo pessoal
Quem me acompanha no Instagram sabe que a maioria das minhas fotos são da Lelê ou de livros, são boa parte das minhas postagens na rede social. E eu me orgulho disso sim!

E na última semana o bem que a leitura faz ficou provado e estampado em vários locais, como mostram alguns exemplos abaixo:

Folha de S. Paulo: Leitura 'desde cedo' levou à nota máxima na redação do Enem, diz estudante
G1: Paraibano nota mil na redação do Enem prefere livros a festas
Portal GCN: Leitura constante é segredo de sucesso na redação no Enem

De resto só posso dizer uma coisa: EU AMO LER!

Resenha: Cartas de Amor Aos Mortos

Não sei bem se isso pode ser considerada uma resenha, mas fiquei com vontade de falar sobre esse livro.

Cartas de Amor Aos Mortos - Ava Dellaira

Esse foi um livro pelo qual eu me apaixonei pelo título, pela capa e pela sinopse. Quando o vi na livraria sai com ele de lá e ainda mais encantada pela capa com uma textura aveludada e a forma com as cartas são separadas.
O título do livro é totalmente real dentro do livro, não é toa que ele tem esse nome. O livro conta a história de Laurel, uma adolescente que está entrando no ensino médio, descobrindo a vida, que perdeu recentemente e que está aprendendo a lidar com a separação dos pais. Sua irmã, May morreu de uma forma misteriosa e que aos poucos vai sendo revelada. E quanto mais vai se descobrindo, mais dá vontade de saber o que de fato aconteceu entre as duas irmãs.

Foto: Nathane Costa do Who's thanny?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...